Loja virtual

sábado, 17 de junho de 2017

As rolhas das garrafas

Poucas pessoas pensam duas vezes antes de abrir uma garrafa de vinho. Por ter se tornado tão onipresente, parece desnecessário discutir o método de como abri-lo. Na realidade, os métodos são muitos e variados. Alguns mais simples outros parecem um show de malabarismo.

Tipos de rolhas e alternativas

A grande maioria das rolhas é feita da cortiça (casca do sobreiro), mas existem alternativas para a cortiça padrão, seja por motivos financeiros, ou pela busca da qualidade e da consistência.

Cortiça natural: constituída por um único pedaço de casca de cerca de 24mm de diâmetro, aproximadamente 6mm  mais larga que a parte interna do gargalo de garrafa, mantendo-se ajustada para que a rolha não resseque e contraia. Até hoje, a rolha de cortiça natural é insubstituível como elemento de vedação/respiração. Logo, básica ao se tratar de vinhos de guarda, geralmente tintos, que devem ser envelhecidos nas garrafas e que necessitam do oxigênio, fundamental para a redução dos taninos e formação do bouquet. Neste caso, as garrafas devem se mantidas deitadas para que o vinho, em contato com a rolha, a umedeça, impedindo sua retração que afetará uma vedação adequada.

Rolha aglomerada: feita de aglomerado de cortiça cujos minúsculos pedaços desperdiçados da casca são ligados entre si por colagem. São mais baratas e geralmente mais curtas permitindo também uma produção maior.

Rolha de champagne: ligeiramente maior (31mm) é feita de três peças de cortiça coladas. O cogumelo é feito de cortiça aglomerada e a base (parte que fica em contato com a bebida) compõe-se de dois discos de cortiça sólida. O formato de cogumelo serve para que o consumidor tenha uma boa “pega” no momento da abertura.

Há duas preocupações em relação ao uso da cortiça natural para vedar garrafas de vinho. A primeira é a contaminação fúngica que resulta em sabores e aromas de mofo e papelão molhado. 

Outro refere-se particularmente a rolhas de aglomerado, já que alguns provadores conseguem identificar aroma e gosto semelhante a cola. Além disto, o fato de serem produzidas a partir de muitas cascas diferentes aumenta a chance de contaminação por fungos. 

O número de garrafas contaminadas é cerca de 5%. Por isso, alguns produtores estão optando por métodos alternativos de fechamento. Os dois principais são: as rolhas sintéticas e as tampas de rosca.

As rolhas sintéticas tentam imitar as rolhas de cortiça natural. O debate sobre a eficácia deste método baseia-se no fato de que ainda não há provas que os vinhos engarrafados com este tipo de rolha envelheçam da mesma maneira que os vedados com as de cortiça natural. Outra preocupação é a velocidade com que estes vedantes tiram a proteção de teflon das espirais dos saca-rolhas. 

A tampa de rosca é um método extremamente eficiente de vedação de garrafas com qualquer tipo de líquido. Assim como no caso das rolhas sintéticas, não há provas sobre o envelhecimento de longo prazo, por isso são empregadas, na sua maioria, em vinhos de consumo mais rápido. Apesar da eficiência na vedação, em algumas garrafas podem surgir aromas e sabores de borracha.

Curiosidades sobre a rolha de cortiça:

-   O tamanho da rolha é variável. Quanto mais tempo um vinho precisa ser guardado, mais comprida será a rolha empregada.
-   Uma rolha dura no mínimo 2 anos e pode chegar aos 50.
-   O exame do topo da rolha é importante no processo de qualidade. Uma rolha limpa é sinal de engarrafamento recente. Com o passar dos anos, a rolha torna-se mais escura e sua superfície acumula resíduos e sedimentos. Em um vinho mais velho deve-se tomar cuidado para que a rolha não contenha vestígios de vazamento, sinal de contato com o ar.
-   A rolha de um vinho bem vedado abandona a garrafa de maneira sonora, ao ser extraída.

Algumas conclusões:

Nos vinhos de consumo rápido - curta duração na garrafa, comercializados a preços mais acessíveis - a rolha desempenha um papel limitado. Neste caso, começam a ser usados materiais alternativos: rolhas de cortiça conglomerada ou de plástico, com bons resultados. Para os vinhos longevos, destinados à guarda, a rolha de cortiça ainda não tem substituto à altura. Temos produtos diferentes, com utilidades específicas. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...