Loja virtual

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Leveduras Nativas – A Nova Assinatura de Vinhos Únicos

Por Luiza Martini, sócia e proprietária da Casa do Vinho – Famíglia Martini

Há algum tempo, temos acompanhado uma tendência de busca por identidade própria para os vinhos, fugindo da globalização. 

Muito se falou que os vinhos estavam perdendo suas características únicas, suas digitais e ficando cada vez mais parecidos.  Alguns produtores passaram a investir em uvas nativas e até mesmo no resgate de uvas quase extintas ou esquecidas.

Houve um fortalecimento da produção das uvas locais e investimentos para que estes vinhos até então desconhecidos pudessem ganhar visibilidade e expressão.  Mas, muitos países não são como a Itália ou Portugal que contam com uma enorme variedade de vitis viníferas e, mesmo assim, alguns produtores buscam por uma forma de se diferenciar. 

Apenas o terroir, nem sempre garante a exclusividade.
Como, então, ser diferente? A tendência agora é uma pratica arriscada: o uso de leveduras nativas. O uso de leveduras comerciais ganhou o mundo pela garantia que o processo de fermentação ocorreria até o final, que os resultados da fermentação seriam os desejados. 

Hoje em dia isso é possível, pois laboratórios indicam a melhor levedura para determinado tipo de uva em condições especificas de vinificação.

Uma vez que não se tem completo controle do resultado do trabalho das leveduras nativas, e até mesmo, se a fermentação se completará, a nova pratica é um risco. Mas, se tudo der certo, chega-se ao objetivo: um vinho com digital, único. 

Alguns produtores até já estampam em seus rótulos: ‘Native Yeast’, ‘Wild Yeast’ ou ‘Wild Ferment’.

Nesta busca pela diversidade, ganhamos nós, apreciadores do vinho! Tim tim!


Dicas da semana:




quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Pisa de pé em Lagar

Conheça esse curioso e tradicional método de extrair o suco das uvas e prove os nossos vinhos feitos a partir da pisa em lagar.

           

Aproveite e veja os nossos vinhos feitos por esse método:

Quinta do Tedo garrafa:
http://loja.casadovinho.com.br/produto/236/quinta+do+tedo+reserva+douro+doc+750ml

Quinta do Tedo com Caixa de madeira:
http://loja.casadovinho.com.br/produto/763/6-quinta-do-tedo-reserva-douro-doc-2010-em-caixa-de-madeira

Quinta dos Poços Colheita:
http://loja.casadovinho.com.br/produto/653/quinta-dos-pocos-colheita-2011

Quinta dos Poços Reserva:
http://loja.casadovinho.com.br/produto/654/quinta-dos-pocos-reserva-2010


quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Infográfico Combinando Queijos e Vinhos

Quando bater aquela dúvida sobre qual vinho combina melhor com queijos, tenha em mãos nosso infográfico, que você pode baixar aqui.


            

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Jovem ou Maduro? Quando Beber Brunello di Montalcino.

por Luiza Martini

Brunello di Montalcino é um ícone dos vinhos italianos. Produzido na Toscana, 100% a partir da uva Sangiovese Grosso ou Brunello, como é chamada localmente. 

Em relação às outras Sangiovese produzidas na Itália, a variedade toscana tem bagos maiores e produz vinhos com intenso frutado, taninos marcantes e acidez bem viva. E são estas as principais características que os vinhos de guarda devem ter. Os Brunello di Montalcino podem atingir a maturidade com dez ou mais anos, e vale a pena esperar!

Quando jovens, têm taninos mais agressivos, acidez marcante e sabores que lembram cerejas, morangos, amoras, flores como violetas, toques de alcaçuz e café, além de notas terrosas.

Quando maduros, seus taninos ficam mais macios, a acidez balanceada, os sabores lembram figos secos, avelãs, compota de cerejas com toques de couro e chocolate, alem de notas florais como rosas secas. Ficam simplesmente fabulosos!

Para ajudar na escolha, seguem as melhores safras e as características dos vinhos de cada uma:

1997 – notas de frutas secas; *WS 99 pts
2001 – muito longevos. Notas de figos, avelãs e compota de cereja; *WS 98 pts
2004 – ótima safra para beber ou guardar!* WS 97 pts
2006 – frutado intenso; *WS 95 pts
2007 – ótima safra segundo o Consorzio Brunello di Montalcino; *WS 93 pts
2010 – fantástica safra de vinhos frutados com taninos marcantes. Devem ser bebidos entre 2018 e 2025; *WS 98 pts
2012 – Excelente safra segundo o Consorzio Brunello di Montalcino; ainda não disponível
2015 – Equilibrada com vinhos balanceados em taninos e acidez. Envelhecerá por mais de 10 anos. ; ainda não disponível.

*WS (Wine Spectator)
Fonte: Wine Folly


Ficou com água na boca? Temos um montão de Brunellos esperando o momento certo para serem bebidos! São quatro produtores maravilhosos, safras variadas, garrafas tradicionais, magnum (1,5 litros), jeroboam (3 litros) e 5 litros! Venha conferir!
 
Para ver todos disponíveis, clique AQUI.
 

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Nova Importação: Alken



Os vinhos chilenos da Alken, trazidos com exclusividade ao Brasil pela Casa do Vinho Famiglia Martini, são um bom exemplo de variedade.

Diversas linhas compõem o portfólio, que começa com vinhos simples e de excelente qualidade, com preço muito acessível e perfeitos para o dia a dia e que agradam em cheio as pessoas com pouca experiência enológica. São vinhos jovens, frutados e sem passagem por madeira. As uvas dessa linha são as mais variadas:

Cabernet Sauvignon, a indefectível Carmenére, Merlot, Syrah, Malbec - sim, Chile can do it! - e os brancos Chardonnay, Sauvignon Blanc e um curiosíssimo Moscato. Curioso porque essa uva costuma ser apresentada em uma versão de vinho “docinho” e pouco alcóolico. Esse não. Contém apenas 4g de açúcar residual, mas deixa na boca uma sensação de doçura, trazida pela fruta latente e todo o frescor de safra nova, além dos aromas característicos da cepa.

Nessa mesma linha também há um Cabernet Sauvignon rosado e delicioso. O corpo da Cabernet dá ao rosé uma bela estrutura, uma cor lindíssima e aromas frutadíssimos como no restante do grupo. 

Outra linha trazida são dos vinhos Alken Barrel Selection. A Casa do Vinho, numa primeira importação, percebeu o sucesso do Barrel Selection Carmenère e trouxe agora também o Pinot Noir e um Chardonnay com fermentação com as cascas, untuoso e delicioso. São vinhos modernos, de excelente qualidade e por um preço acessível.

Subindo um degrau ainda, há a linha Reserva, com vinhos que passaram por carvalho e ganharam complexidade, além de serem das safras 2013 e 2014 . São Cabernet Sauvignon, Malbec e Carmenère por um custo benefício esplêndido!

E no topo estão os vinhos mais “sérios” da lista, os Grande Reserva.  

Eles têm mais tempo de carvalho e são cortes elaborados de Cabernet e Carmenère ou Petit Verdot e Cabernet, 2014 e 2013 respectivamente. O preço, como todos os outros, ainda é muito atraente.


Como pode-se perceber, a Alken tem vinhos para todos os gostos e todos os bolsos. E a facilidade da compra em duas lojas físicas ou pela loja virtual.

Acesse nossa loja aqui e confira essa novidade!

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...